© 2015 by Adriana Lisboa 

 


 

Adriana Lisboa nasceu no Rio de Janeiro. Romancista, poeta e contista, é autora, entre outros livros, dos romances Sinfonia em branco (Prêmio José Saramago), Um beijo de colombina, Rakushisha, Azul corvo (um dos livros do ano do jornal inglês The Independent), Hanói (um dos livros do ano do jornal O Globo) e Todos os santos, e dos poemas de Deriva, Parte da paisagem Pequena música (menção honrosa do Prêmio Casa de las Américas e um dos livros do ano da revista Bravo!). Publicou também algumas obras para crianças, como Língua de trapos (prêmio de autor revelação da FNLIJ) e Um rei sem majestade. Seus livros foram traduzidos em mais de vinte países. Seus poemas e contos saíram em publicações como Modern Poetry in Translation, Granta, Asymptote e revista Casa de las Américas.

É mestre em literatura brasileira e doutora em literatura comparada pela UERJ, e foi pesquisadora visitante em Nichibunken (Kyoto), na Universidade do Texas em Austin e na Universidade do Novo México. Foi também escritora residente na Universidade da Califórnia Berkeley e na Universidade de Chicago.

Morou na França, na Nova Zelândia e nos Estados Unidos. Atualmente ensina no departamento de espanhol e português da Universidade do Texas em Austin.

romances

Todos os santos (2019)
Hanói (2013)
Azul corvo (2010) 
Rakushisha (2007)
Um beijo de colombina (2003)
Sinfonia em branco (2001) 
Os fios da memória (1999 - fora do prelo)
 

poesia

Deriva (2019)
Pequena música (2018)
Parte da paisagem (2014)
contos
O sucesso (2016) 
Caligrafias (2004, microcontos / poemas em prosa, com desenhos originais de Gianguido Bonfanti. Esgotado - relançamento previsto para 2019)
 

infantojuvenis

Um rei sem majestade (2018)
A sereia e o caçador de borboletas (2010)
O coração às vezes para de bater (2007)
Contos populares japoneses (2007)
Língua de trapos (2005)
 

foto Julie Harris (2012)

 

Entre os prêmios que Adriana recebeu estão o José Saramago por Sinfonia em branco, o Moinho Santista pelo conjunto da sua obra, menção honrosa no Prêmio Casa de las Américas pelo livro de poesia Pequena música e Prêmio de Autor Revelação da FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil) por Língua de trapos, além de uma bolsa da Fundação Japão para Rakushisha e uma bolsa da Fundação Bibiloteca Nacional para Um beijo de colombina.
 
Em 2007, o Hay Festival/Bogotá Capital Mundial do Livro selecionou-a como um dos 39 mais importantes jovens autores latinoamericanos. 
 
Em 2014 e 2017, foi escritora residente na Universidade da Califórnia, Berkeley. Também foi pesquisadora visitante no International Reserach Center for Japanese Studies / Nichibunken, em Kyoto, na Universidade do Novo México e na Universidade do Texas, Austin.
 
Foi palestrante nas universidades de Stanford, Yale, Princeton, Smith College, Chicago, Sorbonne, Leiden, Leeds, Pequim, Hamburgo e outras. Participou como convidada de eventos como a Feira de Frankfurt, o Salão do Livro de Paris, o Salão do Livro da América Latina (em Paris), Hay Festival Cartagena de Indias, FLIP, FlipSide (Inglaterra), Feira do Livro de Miami, Semana do Brasil na China, Bienal do Livro do Rio de Janeiro e outros.
 
 
 
 
 

formação, música e traduções

 

Adriana Lisboa é bacharel em música/flauta transversa pela Uni-Rio e tem mestrado em literatura brasileira e doutorado em literatura comparada pela Uerj. 

 

Começou a trabalhar com música aos dezoito anos, cantando MPB na França, e mais tarde foi professora de flauta transversa e teoria musical no Rio. Traduzido ao português, entre outros livros, O morro dos ventos uivantes, de Emily Brontë, A estrada, de Cormac McCarthy, A portapoemas de Margaret Atwood, e Uma voz vinda de outro lugar, de Maurice Blanchot.